skip to Main Content

O servidor público é o grande vilão da economia?*

O governo aponta como um dos grandes vilões da economia brasileira o gasto com DESPESAS DE PESSOAL/ENCARGOS, que ao longo dos anos vem crescendo em relação ao Produto Interno Bruto (PIB). Será que isso é verdade?

Todos nós podemos constatar facilmente que o governo fala meias verdades. O que tem crescido ao longo dos anos é o valor NOMINAL DAS DESPESAS DE PESSOAL/ENCARGOS. 
Em 2000 o gasto do governo federal com pessoal foi de cerca de R$ 58 bilhões e em 2016 essas despesas alcançaram a cifra de mais de R$ 275 bilhões. No entanto, percentualmente em relação ao PIB, esse gasto diminuiu. Em 2000 o peso dessa despesa em relação ao PIB era de 4,857% e em 2016 esse percentual caiu para 4,404%.

Na realidade o que cresceu foi o valor nominal das despesas com Pessoal. Também é verdade que houve um crescimento constante nominal do PIB no governo do PT. Esse dado ajudou o Brasil a ser considerado a sétima economia mundial, mas com a crise financeira internacional, a recessão e o golpe de Estado fomos rebaixados à nona economia mundial.

Quem é o verdadeiro vilão da economia Brasileira?

Podemos constatar facilmente que GASTO COM PESSOAL não é o maior problema do Brasil. O maior problema do Brasil chama-se DÍVIDA PÚBLICA, que levou em 2016 cerca de 45,11% do Orçamento Geral da União ou R$ 1,131 trilhões. Enquanto AS DESPESAS DE PESSOAL/ENCARGOS levaram do Orçamento Geral da União cerca de R$ 275 Bilhões.

________________________________________________________________________

ANO                      Despesas de Pessoal                      PIB                                         Despesa/PIB

________________________________________________________________________

2000                     R$ 58 Bilhões                                    R$ 1,19 Trilhões               4,857%

2001                     R$ 65 Bilhões                                    R$ 1,31 Trilhões               4,974%

2002                     R$ 73 Bilhões                                    R$ 1,48 Trilhões               4,951%

2003                     R$ 78 Bilhões                                    R$ 1,71 Trilhões               4,569%

2004                     R$ 88 Bilhões                                    R$ 1,95 Trilhões               4,515%

2005                     R$ 93 Bilhões                                    R$ 2,17 Trilhões               4,297%

2006                     R$ 114 Bilhões                                  R$ 2,40 Trilhões               4,732%

2007                     R$ 125 Bilhões                                  R$ 2,72 Trilhões               4,598%

2008                     R$ 141 Bilhões                                  R$ 3,10 Trilhões               4,537%

2009                     R$ 165 Bilhões                                  R$ 3,33 Trilhões               4,961%

2010                     R$ 182 Bilhões                                  R$ 3,88 Trilhões               4,684%

2011                     R$ 195 Bilhões                                  R$ 4,37 Trilhões               4,474%

2012                     R$ 203 Bilhões                                  R$ 4,81 Trilhões               4,222%

2013                     R$ 219 Bilhões                                  R$ 5,33 Trilhões               4,121%

2014                     R$ 237 Bilhões                                  R$ 5,78 Trilhões               4,104%

2015                     R$ 255 Bilhões                                  R$ 6,00 Trilhões               4,251%

2016                     R$ 275 Bilhões                                  R$ 6.26 Trilhões               4,404%

_____________________________________________________________________

Fonte: Senado Federal/SIAFI e IBGE

 

* Paulo Lindesay

(Diretor da ASSIBGE-SN/Coordenador do Núcleo da Auditoria Cidadã da Dívida Pública)

Deixe uma resposta

Back To Top
Pesquisar